Entretenimento e relação com a marca no seriado Mad Men

mafalda
Mafalda: a genialidade da crítica.
março 15, 2012
post blog
A primeira ação uma agência nunca esquece
abril 13, 2012
Exibir tudo

Entretenimento e relação com a marca no seriado Mad Men

mad_men_draper1

Se você for conferir a edição desta semana da Newsweek, – segunda revista semanal americana em publicidade e circulação na atualidade – não pense que clicou errado e abriu um arquivo dos anos sessenta: a diagramação, fotos e até mesmo o layout de anúncios para marcas como Johnnie Walker e Mercedes-Benz na revista fazem parte de uma edição especial que marca o retorno da série Mad Men às telas.

Não sei dizer o que mais me prendeu na série – comecei a olhar o primeiro capítulo por curiosidade e só saí da frente do computador 13h depois quando a primeira temporada acabou. Pensei, no início, que era porque a na ficção mostrava o funcionamento das agências de publicidade nos anos 60, inclusive com cases de empresas como a Lucky Strike, em uma época em que fumar era glamour total. Depois pensei que fosse pelo clima vintage do drama, dos costumes da época, dos figurinos e, por fim, percebi que estava totalmente envolvida na teia psicológica dos personagens.

Presenciamos o publicitário Don Draper utilizar a esposa como cobaia para pesquisa de mercado e mostrar orgulhoso o resultado da experiência no jantar preparado por ela com o produto. Não vemos mocinho X bandido na série, todos têm seus desvios de caráter, segredos e ambições e o mais interessante é ver como cada um deles reage diante das mudanças que estavam acontecendo naqueles anos onde gestantes fumavam e bebiam até o final da gestação, crianças não tinham direito a opinar e o cuidado com o lixo após o piquenique era jogar tudo fora (no chão naturalmente) para não sujar o carro novo.

Ela foi a única série dedicada a este período a sobreviver – The Playboy Club e Pan Am, que estreou na Sony semana passada, já foram canceladas. – Esse sucesso foi confirmado com a premiação única de quatro Emmy em série dramática seguidos, um a cada temporada.

Desde a estreia de Mad Men e mesmo durante seu hiato, a onda retrô foi crescendo e a divisão entre entretenimento e relação com a marca na vida real diminuindo. A Banana Republic, por exemplo, aproveitou essa mescla e lançou um concurso cultural, onde através de fotos vintage eram escolhidos figurantes para o seriado e distribuídos vale compras de U$ 1.000,00 da marca. Claro que também aproveitaram o momento para lançar uma coleção totalmente inspirada no seriado. Outro exemplo da influência do seriado na cultura pop foi o lançamento de uma coleção Barbie e Ken, da Mattel inspirados no estilo Don e Betty. Eu mesma não resisti e fiz meu avatar sessentista no site da AMC http://www.amctv.com/madmenyourself/

A quinta temporada já chega causando furor não só na imprensa e nos fãs, que na página brasileira do seriado fazem contagem regressiva dos dias para a estreia. Após causar um desconforto em Nova York com o teaser da nova temporada que, para alguns fazia menção ao 11 de Setembro, com o corpo de um homem caindo de um prédio (igual a abertura da série), Mad Men retorna de uma pausa de um ano e meio nos episódios e após sofrer cortes orçamentários que causaram uma redução até mesmo no tempo de cada episódio, além de divergências entre o produtor Matthew Wainer e o canal a cabo americano AMC. Para compensar a espera, o episódio de estreia, no dia 25, terá duas horas de duração. É sentar no sofá, cruzar a perna e esticar o braço, no melhor estilo draping, e conferir a quinta temporada.

rp
rp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *